26.2.07

texto precisa-se

Desafio alguém que faça um artigo mais digno acerca do Serviço Social e represente a profissão mais universalmente... e que o envie para a Wikipédia! Está bem distinto do artigo sob a designação de "Social Work".

12 comentários:

alfredo henríquez disse...

Isto era muito importante para nós todos.

Boa ideia

S Guadalupe disse...

bem que o CPIHTS poderia assumir esse artigo! atendendo à importância actual da wikipédia!!!!

Miguel Ângelo F. M. Valério disse...

É uma óptima ideia, mas...

... será que a realidade do "serviço social" em Portugal coaduna-se com a realidade do "social work" lá por fora?

Não valeria a pena reflectir sobre isto?

alfredo henríquez disse...

pois claro que valeria a pena, especialmte com "nuestros hermanos", que parece ser essolveram melhor o que nós a questão de bolonha.

Anónimo disse...

Afinal estamos a falar de uma profissão, com histórias diferentes de pais para pais... e simultâneamente uma disciplina profissional de matriz cientifica. Talvez por isso o localismo não seja o argumento fundamental, nem o debate sobre Bolonha contribua para o esclarecimento sobre a emergência da profissão ou a aplicação ao seu Telos de programas de investigação. Depois de ler as últimas novidades editoriais do CPIHTS, duvido seriamente da sua capacidade cientifica para apagar a vergonha do texto que denunciei! Acredito que muitos dos colaboradores desse centro apenas colcoquem o problema em questões de tradução!
Desafio a colega Guadalupe a escrever em conjunto com outros Profs!

S Guadalupe disse...

Não me reconheço autoridade sobre a matéria. Há que "dar o seu a seu dono". Tenho dedicado as minhas energias a matérias específicas...

S Guadalupe disse...

A área (e falo também por mim, mea culpa!) produz pouco material escrito. Divulga pouco o seu trabalho,pois acredito que há muita produção que fica na gaveta. Eu, por exemplo, tenho duas obras pendentes, em finalização, que permanecem inacabadas por uma séria de motivos.

Traduzir permite colocar acessível o acesso a determinadas matéria em pouco tempo. É muito importante que se faça mais, pois tem havido pouca tradução. Os espanhóis sempre traduziram muito para castelhano. Eu tenho muitas obras traduzidas assim.

Claro que há gente muito válida para escrever o dito artigo. No CPIHTS e noutros cantos...

alfredo henríquez disse...

Não sei como aturam esta colega anónima que desata a falar con insultos gratuitos ...

Se tem alguma coisa a debater assuma a sua identidade do contrário, não frequentaremos os mesmos espaços.

S Guadalupe disse...

Também não me sinto muito dificuldade em debater aspectos importantes ou discutir críticas dirigidas a alvos concretos ou abstractos com quem tem dificuldade em assumir um rosto (mesmo que fictício)...

No entanto, por defeito ou feitio, não relevo grandemente esta situação. E não me sinto inibida pelas dificuldades de terceiros. Não vejo vantagem nenhuma nesta situação, mas tal não me impede de relevar ou irrelevar situações. Evito comentar insultos e críticas infundadas...

Respeito as dificuldades do(a) anónimo(a), assim como de qualquer pessoa.

joaquim disse...

Caros colegas

Gostaria de desafiar o anónimo a escrever o texto, a escrever os conteúdos, ou o telos da profissão, talvez mesmo a determinar quem deve ou não deve escrever, talvez como nos tempos da outra senhora,...aquela que vai ser votada... Bom acho que tanta sabedoria e tão pouca loquacidade escrita (passe o equivoco), deixa no ar apenas a critica pela critica.
Já agora, não me parece que pós-modernismo, Boaventura, Edgar Morin, sejam apenas global e Local, são muito mais senão em conjunto com os mestres da descontrução Derrida e Foucault, não tinham abalado toda a modernidade (sujeito/objecto, natural/social, etc) e estalar uma polémica que ainda dura sobre o que é a ciência, e lembremo-nos da precaridade do discurso Científico de Popper: um saber por conjectura.
Também Pauli, Einstein e Bohr já tinham desfeito todo o positivismo mais encrespado, não falando da quântica.
Mas penso que o anónimo com certeza será o(a) mais qualificada de todos nós para produzir esse douto conhecimento.

S Guadalupe disse...

Os desafios são de quem os agarrar.

Como sabemos, é preciso ter coragem para dar a cara e levar avante o que quer que seja. Eu, neste posto que me cabe (e no qual me meti sem saber ao que vinha), tenho à vontade para dizê-lo!

Anónimo disse...

Que clube? A humilde anónima perturba assim tanto os Srºs. A questão que denuncie foi a presença de um misero texto... num local hoje muito visitado. Claro que não é o único! Quanto ao desafio em escrever fiquem os Srº Prof. descansados que não tenho problemas em o redigir e se decidir fazê-lo não vou confundir a fisica quântica, a teoria da corda ou dos sistemas adaptativos complexos com discursos pós-modernos e confusionistas!
E não confundamos positivismo com Realismo ou o principio da incerteza com relativismos...etc
Aconselho ao meu caro ou cara colega a ler as imposturas intelectuais para colocarmos as coisas no seu lugar.
Mas o essencial é voltar seriamente à discussão do texto e para isso cara e caros colegas não precisamos de fulanos, pois são os argumentos e ideias e não o nome Alfredo, Joaquim, Silva ou qualquer outro