28.6.07

a ave rara

Estive estes últimos 3 dias em formação no ISEG sobre uma metodologia que, apesar de ter as suas origens há 40 anos, está pouco divulgada e que poucos dominam por cá. O carácter multidiscplinar desta metodologia traz a estes cursos pessoas com diversas formações, mas tal não era o caso, pois a esmagadora maioria de sociológos dominava. Apesar disto havia ainda um conjunto de "outsiders". Eu era uma delas. Não fosse o caso de eu ter já algum conhecimento sobre os temas tratados e de fazer muitas perguntas e sugestões, passaria despercebida, mas o facto de eu ser assistente social levantou muitas curiosidades. Curioso, não? A mim, especialmente, deu-me um gozo especial afirmar a minha identidade com tanta insistência como me obrigava a insistência de perguntas confirmatórias. Às vezes sinto-me uma espécie de ave rara! ;)

13 comentários:

António Duarte disse...

Muito bem Guadalupe, compreendo que está implícito nessa sua experiência...Já passei por algo parecido. Já agora, que tipo de "curiosidades" verbalizaram os restantes elementos, iminentes sociólogos da nossa praça, quanto ao facto de ser assistente social?

S Guadalupe disse...

Pois, é estranho. Também já não é a primeira vez que me acontece...

Atendendo a que todos nos apresentámos, foi estranho que todos que falaram comigo, começavam por confirmar sempre se era de facto assistente social...

Era mais a postura interrogativa e alongada (hummmmm, ahhhh) que me chamou a atenção.

Enfim...

Anónimo disse...

"Sorte" a sua Guadalupe, eu sinto-me uma ave rara mas é no meu local de trabalho, com a chefia. Cada que vez que " puxa as poderosas forças do místico universo" que nos rege em prol dos "pobrezinhos", e em prol da visibilidade do Serviço Social formatada numa moralidade inventada e reformulada nas mais finas teorias "francófonas", sinto-me desesperar. A Guadalupe só teve "huns..."de sociológos. It is an injustice ....yes it is.

António Duarte disse...

O Serviço Social português continua sem um quadro referencial teórico próprio que esteja adequado à própria realidade do país que temos e que somos.

Se nos regessemos pelo menos por essas finas teorias francófonas, já não seria mau...Sempre haveria alguma coerência, algum rumo, alguma linha orientadora.

Mas os sociólogos não são exemplo a seguir. Esses vivem na eterna frustração de quererem actuar como se se tratassem de assistentes sociais, mas sem possuírem ferramentas nem história de profissão para isso. São uns pseudo-teóricos, muitas vezes desfazados da realidade prática. Não sei se esta deriva da sociologia portuguesa também se verifica noutros países. Só sei que cá está a tomar proporções deveras preocupantes, o que também reflecte a desorganização do sector social, quer em termos académicos, quer em termos profissionais.

Proponho à Guadalupe que abra um espaço no blog dedicado a este tema e que esteja aberto às outras profissões. Que tal?

anónimo das 22h57m disse...

Não, não, minha cara colega, você é mas é deveras insistente :)

Os Sociólogos não têm espaço, entenda-se, emprego, na nossa pequena sociedade. Há mais sociólogos do que assistentes sociais, e há, sem sombra de dúvida, muito mais campo de intervençaõ profissional para nós, AS´s.
Daí os Sociólogos tentarem passar uma imagem que estão mais talhados para desempenhar certas funções (não as que impliquem visitas a barracas ou atendimentos "chatos"), que se destinam, por natureza e mérito académico, a AS.

Querem os liugares de directores técnicos das IPSS, chefiar projectos de luta contra a pobreza, encabeçar e orientar os "técnicos" que trabalham no terreno, querem-nos como seus ajudantes e executores. Nada mais errado.

Já não bastava os Politólogos, agora querem os sociólogos, e alguns dos 10.000(!) psicólogos portugueses invadir um campo de acção/intervenção que é nosso por direito.

Qualquer dia somos os continuos da segurança social. Venha a Ordem, para pôr Ordem.

anónimo das 23h07 disse...

Hã, caro colega António Duarte, partilho essa sua ideia de se fazer um debate alargado sobre essa questão do espaço e campo de intervençºao de cada profissão na campo do social.

Podiamos começar por apresentar os curriculos académicos de cada área, e depois analisar, á luz de cada formação académica, quais as qualidades, ou melhor, quais os ensinamentos e práticas aprendidas, e quais as áreas profissionais que melhor se adequam a cada saber e aprendizagem.

Quem se deve sentir uma "Ave Rara" nesta sociedade, são os sociólogos, perdidos sem saber para que serve o seu saber.

Anónimo disse...

Por vezes penso que somos todos umas aves raras voando por aí, quando muitos nos vão enxotando daqui para ali como se fossemos da terra de ninguem e sem identidade própria. Ainda hoje me questiono para que serve a APSS, etc. Desculpem-me mas´....
LLPF

outro anónimo disse...

Grande ave rara me saíu este anónimo, com tanta perca de identidade ainda passa a fazer a ninho.
Agora que a conversa era séria aparece esta coisa...

Anónimo disse...

..."esta coisa" já fez o ninho a muito tempo...e aquilo que somos e não somos vive no aqui e agora, no espaço da LIBERDADE.
Debates e mais debates, isto já parece os pedidos de pedidos de estudos do estudo do projecto para a construção disto ou daquilo....
Permanecer dentro do ovo no ninho????Espera-se que a casca quebre docemente. "Mamã"!!!!!!!
Querida (permita-me)Guadalupe, luovo a existencia deste blogue...visito-o de quando em vez.Permita-me dar-lhe os meus parabens e continue com a força rica insistencias.........
LLPF

S Guadalupe disse...

Continuo a agradecer os incentivos... muito muito!

Sim... isto há fases em que sabe muito bem "ouvir" (leia-se... "ler") estas coisas...

outro anónimo disse...

ovo, ninho, liberdade, será que vá vamos ouvir novamente: "e as gaivotas voavam..."

se o ninho está feito só nos resta afirmar como Lullio: Omni Potentia!

Anónimo disse...

..."uma gaivota voava voava.." AH!!! Tambem conhece? E tambem sabe umas coisitas em Latim!Pois é meus Srs e minhas Sras, "Quod fecit factum est", ...só nos resta omni potentia. Vamos lá aquecer a "tertulia das lamentações". Felicidades
Cumprimentos Guadalupe...
LLPF

outro anónimo disse...

Sim o que está feito feito está, ou mais ou menos, mas não pense que já temos Imperator, ai não não, pelo menos eu Não deixo, factum est!
(gostei dessa de Timor, Fretlin hem, suspiros de Chavismo, mas parece que estará furado, Viva o XANANA)