16.3.08

recenseamento dos assistentes sociais


A APSS tem em curso um RECENSEAMENTO de todos os assistentes sociais portugueses. Pode fazê-lo directamente através do site clicando em submissão de recenseamento. Na zona norte foi criado um grupo de trabalho que pretende dinamizar este processo nesta região do país (para mais informações, consulte o blog Assistente Social).


PARTICIPE E DIVULGUE!

É UM PROCESSO FUNDAMENTAL A CAMINHO DA ORDEM.
Para que saibamos brevemente responder a questões como: Quantos milhares seremos? Que situação profissional temos? Que formação pós-graduada temos? etc.

11 comentários:

Anónimo disse...

Olá.

Estou com dificuldade em preencher alguns espaços, como sejam, aqueles que exigem resposta Sim / Não, Tipo de Contrato... parece-me que não consigo clicar devidamente em Submeter Recenseamento, também..

É Parvoíce da minha parte ou será que o documento está com algum problema?

Raquel

Anónimo disse...

Era Parvoíce da minha parte.

Raquel.

Anónimo disse...

Provavelmente deve ser para calcular, quanto é que pode ganhar o bastonário!Calculando nº de assistentes existentes!

Mas atenção, que muita água ainda vai correr!! A pressa é inimiga da perfeição!

S Guadalupe disse...

Na "lei das Ordens" está previsto o seguinte: 3 — A criação de novas associações públicas profissionais
é sempre precedida de um estudo elaborado por
entidade de reconhecida independência e mérito sobre a
sua necessidade em termos de realização do interesse público
e sobre o seu impacte sobre a regulação da profissão
em causa.

Ora, apenas poderá avançar-se depois de podermos responder a um conjunto de questões, nomeadamente, a "quantos somos".

Para além disso, posso adiantar que sabia que este processo havia já avançado desde o início deste mandato (que agora termina) de forma lenta, nomeadamente na delegação do Porto. Não é algo de agora. Estava já previsto no programa eleitoral anterior.

Anónimo disse...

Quando a coisa cheira a poder e a protagonismo aparece sempre um grupo de Norte. Se a coisa não dá protagonismo logo desmobilizam e culpam o Sul pelo insucesso.
Estamos fartas disto.
Toda a gente se pode inscrever como sócio da APSS e/ou registar-se para efeito com vista à constituição de uma ordem profissional sem o patrocínio de grupos sejam eles do Norte do Centro ou do Sul.
Curioso é dizer que o fazem de forma desinteressada. Alguém pediu apoio? Está legitimado para isso pela APSS? Então as A.
S. do Norte são tão lerdinhas que precisam que outros as ajudem a fazer o registo? Movimentos desinteressados. No mínimo "adoro" ver este excesso de voluntarismo na classe.Como diz o povo "valha-me Santa Engrácia..."

S Guadalupe disse...

Divulguei a iniciativa do grupo porque me chegou via e-mail. E ainda reconheço que a via informática levanta problemas a algumas pessoas. Mas... é necessário é chegar a informação junto dos seus destinatários e quantos mais colaborarem, melhor será.

Quanto a salários de bastonários... até é vergonhoso que alguém... enfim... seria óptimo que, de facto, alguém pudesse ser altamente remunerado nesta e noutras posições. Bem andava o país e a capacidade financeira dos assistentes sociais.

Saiba o anómimo que situação financeira da APSS é muito precária e até dificuldades tem em pagar as deslocações dos elementos dos seus orgãos. No entanto, há quem continue a gastar o seu dinheiro e tempo (sábados inteiros, etc) em nome do associativismo e de quem muito reclama mas em nada contribui!

Por causa de petição fui a Lisboa e volto a ir, pagando do meu bolso... que é muito pouco fundo!

Contenha-se, porque só lhe fica mal!

joaquim paulo silva disse...

Venho ao seu blog S�nia, apenas para responder ao an�nimo:

Este recenseamento volunt�rio resultou de uma reuni�o com a Dr�. Fernanda Rodrigues que est� a par da situa�o e porque na verdade n�o chegaremos a toda a gente apenas a partir da ficha no site, pelo menos em muitos locais isolados no Norte do pa�s, mas tamb�m na diversidade da �rea metropolitana, cruzando informa�es ficar� a APSS com elementos mais precisos, e n�o ser� de desperdi�ar penso a disponibilidade de muit@s colegas que aderiram voluntariamente a este processo.
Quanto ao mais, respondo como o fiz no meublog:


N�o respondo a an�nimos. A identifica�o � o m�nimo que se exige quando se insulta. Portanto o an�nimo � um puro zero.

Mas porque, quem est� por detr�s do an�nimo � algu�m ou alguns, vou apenas dizer algo sobre o assunto:

1. De que poder fala? Pois ser da APSS, que ainda n�o � Ordem, n�o � poder, � carga de trabalhos (!), embora tamb�m deva ser compromisso.
A n�o ser que ache por m�gica que a Ordem estar� a� � esquina, sem trabalho, enfim l� saber� eu n�o.
2.O que est� escrito � apenas dar conhecimento que um grupo de pessoas de uma zona do pa�s, o Norte, se organizou para consolidar o processo de recenseamento, o que ser� �til para a consolida�o da Ordem. Ningu�m disse que no Norte � que era bom e nos outros s�tios era mau, � uma interpreta�o sua, ou um pensamento seu.
3. A Ordem n�o tem o patroc�nio de grupos de Norte ou Sul, ou CEntro e Ilhas, tem o apoio maiorit�rio dos Profissionais de todo o pa�s que a partir do Congresso que a legitimou.
Mas n�o pode � prescindir do apoio de um grupo que anda muito isolado, o do Norte do pa�s, isso n�o pode (paci�ncia � vida!), pois quem o fizer como � evidente, desprezar� mais de um milhar de profissionais, provavelmente.

3. Quanto ao Poder, este, o verdadeiro est� em Lisboa, �nico centro de decis�o Nacional (contra a minha perspectiva e de outros pa�ses como a Holanda, etc), mas � a realidade, portanto quem estar� mais pr�ximo desse poder ser�o os membros da APSS que a� estar�o, se � por a� que quer entrar.

N�o manifestei uma divis�o, manifestei uma constata�o e disse-o num blog pessoal, n�o comprometi ningu�m, pois tamb�m n�o ser� segredo que este grupo est� a funcionar, penso eu ainda bem, ou n�o querem? Bom a pr�xima Direc�o pode assim decidir � uma op�o.

N�o se amofine, pois ningu�m quer o seu poder, muito menos qualquer confronto, apenas queremos ser reconhecidos como de igual contribuintes.

joaquim disse...

Não sei porquê, mas saíu quase código(!) vou repetir para ser perceptível espero.

Venho ao seu blog Sonia, apenas para responder ao anonimo:

Este recenseamento voluntario resultou de uma reuniãoo com a Dr.ª Fernanda Rodrigues que está a par da situação e porque na verdade nãoo chegaremos a toda a gente apenas a partir da ficha no site, pelo menos em muitos locais isolados no Norte do país, mas também na diversidade da àrea metropolitana, cruzando informações ficará a APSS com elementos mais precisos, e nãoo será de desperdiçar penso a disponibilidade de muit@s colegas que aderiram voluntariamente a este processo.
Quanto ao mais, respondo como o fiz no meu blog:
1. De que poder fala? Pois ser da APSS, que ainda não é Ordem, não é poder, é carga de trabalhos (!), embora também deva ser compromisso.
A não ser que ache por mágica que a Ordem estará aí à esquina, sem trabalho, enfim lá saberá, eu não.
2.O que está escrito é apenas dar conhecimento que um grupo de pessoas de uma zona do país, o Norte, se organizou para consolidar o processo de recenseamento, o que será útil para a consolidação da Ordem. Ninguém disse que no Norte é que era bom e nos outros sítios era mau, é uma interpretação sua, ou um pensamento seu.
3. A Ordem não tem o patrocínio de grupos de Norte ou Sul, ou CEntro e Ilhas, tem o apoio maioritário dos Profissionais de todo o país que a partir do Congresso que a legitimou.
Mas não pode é prescindir do apoio de um grupo que anda muito isolado, o do Norte do país, isso não pode (paciência é vida!), pois quem o fizer como é evidente, desprezará mais de um milhar de profissionais, provavelmente.

3. Quanto ao Poder, este, o verdadeiro está em Lisboa, único centro de decisão Nacional (contra a minha perspectiva e de outros países como a Holanda, etc), mas é a realidade, portanto quem estará mais próximo desse poder serão os membros da APSS que aí estarão, se é por aí que quer entrar.

Não manifestei uma divisão, manifestei uma constatação e disse-o num blog pessoal, não comprometi ninguém, pois também não será segredo que este grupo está a funcionar, penso eu ainda bem, ou não querem? Bom a próxima Direcão pode assim decidir é uma opção.

Não se amofine, pois ninguém quer o seu poder, muito menos qualquer confronto, apenas queremos ser reconhecidos como de igual contribuintes.

GSP disse...

Ainda a Ordem não está criada e já existem estas guerrinhas. Vai ser bonito quando estiverem lugares em causa...
Este é apenas um dos factores que me leva a não acreditar que seja possível que a Ordem dos Assistentes Sociais alguma vez funcione direito.
Antes de se pensar na Ordem devia-se pensar em formas de unir os Assistentes Sociais, de fazer com que acabem as divisões na profissão e de levar à participação dos profissionais nas Associações já existentes.

Quase que apetece dizer: Antes da criação da (Des)Ordem Assistentes Sociais de todo o país uni-vos...

alfredo henríquez disse...

Continúa a divulgar Sónia, a categoria merece estar organizada para preparar o próximo congresso de Serviço Social em 2009, conforme a minha proposta subscrita pela Presidenta da APSS.

Diz PRESIDENTA como digo BASTONARIA

Ps quando a lingua portuguesa evoluir e seja mais democratica, teremos um código escrito que respeite a mulher.

2 PS. Os Homens não necessitam de se vestir de saias para terem poder.

S Guadalupe disse...

;-)