23.1.09

os blogs: os meus, os teus e os nossos

Francisco José Viegas reflecte sobre a blogosfera...
A propósito de uma nota que escrevi há uns dias atrás, revi-me bastante nalgumas passagens desta reflexão que propõe no "Origem das Espécies". A minha nota não traduz nada demais, apenas o desgaste que se produz em alguém que não almeja mais do que estar com outros e de partilhar. Nem foi muito grave o comentário que li, outros houve bem mais graves antes que ignorei e fiz por ignorar. A indignação surge porque estou farta de me indignar sózinha. Não quero só elogios, que tenho tido e que me sabem bem, obviamente... quero críticas, sim, mas críticas que me façam crescer, que me façam fazer melhor e servir melhor... Enfim, não daria para figura pública, isso já o sei. Gosto demasiado do meu cantinho, e cá vou ficando... com a convicção de que a cidadania não é um execício que todos saibam praticar! Continuo também convicta que há vertentes mais interessantes do que desinteressantes que me vão fazendo permanecer em espaço de partilha convosco!
Diz Francisco José Viegas:
«Há coisas que nos deixam irritados com os outros e coisas que nos deixam despertos para os outros; os blogs fazem, em todos nós, parte da irritação e da sensação de partilharmos ideias comuns ou incomuns.»
(...)
«De modo que já várias vezes pensei em acabar com o blog, «acabo com esta merda do blog», mas a idade vai aconselhando cuidado com «estados de alma» e alguma persistência. Nem sempre escrevo o que quero; nem sempre escrevo quando quero; e nem sempre quero escrever no blog.»
(...)
«Estamos hoje muito vigiados; somos vigiados por leitores, vizinhos, colegas de trabalho, pessoas que nos amam ou nos detestam, gente irrelevante, gente a que damos importância, gente que não tem importância. A net é barata, acessível e livre. Dá para tudo, para o melhor e para o pior, para a maledicência e para a aldrabice, para as cartas de amor (ridículas, evidentemente) e para a banalização de tudo. É aí que estamos todos. Perdeu-se muita inocência na internet. Às vezes, ainda bem; de outras vezes, infelizmente.»

7 comentários:

alfredo henríquez disse...

Estou a ver que de vez em quando necessitas que te indiquem que não és a "dama de ferro" ....
Os aspectos lúdicos e generosos da cultura profissional são os alimentos que nutrem a força que historicamente consolidam a nossa profissão.
Não basta indicar repetidamente que somos cumplices numa aventura profissional que se constroi com bandeiras de mudança. Tal vez seja necessário guardar para nós, em silêncio e, para os que se seguem, os últimos cartuchos, os últimos versos daquelas construções que cimentam o Futuro ( assim mesmo com Maiúscula ) porque o presente é tão chato como foi o passado.
Obrigado por me ajudar no meu blog.

Isto não desmerece qualquer crítica que eu possa fazer aos teus contributos ( às vezes demasiado ingenuos, às vezes demasiado leves )e, que penso ter indicado frontalmente.

alfredo

Ps. quando inclues música no teu blog?

FCR disse...

Desejo manifestar solidariedade e lembrar um ditado popular muito antigo,"...A ignorância é muito atrevida...".Portanto "quem mais entende mais reserva".
Um abraço e força para ultrapassarmos mais uma etapa no caminho da "profissionalização" da profissão!
Entendes?!
FCR

S Guadalupe disse...

;-)

Depois de quase 3 anos de blog... há que (re)pensar em vários aspectos desta interlocução permanente. Tento fazê-lo, mas tenho ainda muito a aprender.

Perdi alguma inocência e atrevimento para partilhar provocações, com pena minha... fui uma dessas pessoas a que Francisco José Viegas se refere...

Não me completa a versão mais recente que assumi de divulgação de informação, mas traz-me mais paz, paz que preciso também.

Terei de pensar e repensar melhor... haverá alguns pontos de equilíbrio que permitirão a sua continuidade sem estagnação. Estou desinspirada actualmente. Melhores rasgos virão.

Duarte disse...

Não se deixe abalar por parvoíces que outros vão dizendo. Como diz o ditado, os cães ladram e a caravana passa. Faço minhas as palavras do comentário anterior. E quando a ignorância se associa à inveja, ainda pior. Mas como sei que a Sónia está bem acima de tudo isso, não me vou preocupar demasiado porque estou certo de já deu volta por cima. Continue que o Serviço Social português precisa de pessoas assim.

S Guadalupe disse...

Não, não me deixo... mas continuo a dizer que cansa e desgasta. Nada demais...

ana disse...

mostrando a cara na blogosfera e normal apanhar do melhor e do pior... eu só queria dar uma palvra de força, e dizer-lhe que como estudante de Serviço Social este blog tornou-se leitura diária e de referência, e para mim uma das plataformas de partilha com mais força e seriedade no meio!!

Obrigado por continuar a manter esta plataforma!

S Guadalupe disse...

Cara Ana, agradeço a força! É sempre necessária!!! E agradeço sobretudo as palavras amáveis...