24.10.06

PNAI e criação de emprego

O Plano Nacional de Acção para a Inclusão 06/08 foi ontem apresentado por um Sócrates baralhado com designações antigas e actuais do RMG/RSI, ou será RIS? Sinceramente, tanto faz! A mudança de sigla apenas trouxe benefícios à empresa que fornece a Segurança Social em papel timbrado e em placas de identificação...

O PM aproveitou ainda para anunciar a aprovação de candidaturas para equipamentos sociais que criarão 3200 novos postos de trabalho. Estejam atentos a este site no próximo mês!

2 comentários:

jpsilva disse...

A apresentação do PNAI pelo Primeiro Ministro (in cluindo as gafes!), é positivo, é um sinal político de aval a um instrumento de política social, que para nós assistentes sociais deve ser tido em conta. No entanto, será bom que este começe mesmo a funcionar e não se limite a apresentar intenções e diagnósticos.

Ricardo Garcia disse...

O PNAI, conjuntamente com todos os outros Planos governamentais (são mais que as mães) deverá orientar, a partir de Janeiro de 2006, a elaboração dos PDS's. Ou seja, todas e quaisquer candidaturas deverão ter em conta os vectores delineados não só no PNAI como nesses outros "P's" para que possam ser considerados pertinentes pelas Redes Sociais concelhias e levarem assim pareceres favoráveis, que cada vez mais são indispensáveis à sua aprovação. Por isso o PNAI nunca deverá ser visto como uma declaração de intenções, mas sim como um dos instrumentos essenciais que define as políticas sociais no país e que, em última análise, define os caminhos que a actuação técnica no terreno deverá percorrer.